post-sera-que-devemos-entrar-na-febre-da-propaganda-apelativa

Será que devemos entrar na febre da Propaganda Apelativa ?

Nos tempos atuais vemos as estratégias de negócios e o marketing cada dia mais agressivo, principalmente as propagandas televisivas, temos certeza que isso se deve ao fato do crescimento do consumo capitalista no mundo atual.

Vemos com o passar do tempo as empresas investindo cada vez mais em agências de publicidades para garantir vendas e conseguir ficar visível na mídia.

Devido à tanta concorrência no mercado atual, sabemos o quanto é difícil ingressar uma empresa no mercado, e por conta disso muitas vezes o marketing juntamente com a empresa acabam optando por uma propaganda um tanto peculiar como por exemplo essa da empresa Heineken:

WhatsApp Image 2017-03-29 at 10.49.35

Mais até aonde podemos ” APELAR ” ?

Como dizem: “ A propaganda é a alma do negócio “, realmente esse ditado é coerente e por conta disso devemos ficar bem atentos ao público que queremos atingir.

Um exemplo claro desse tipo de marketing é que antigamente os comerciais de bebidas alcoólicas no Brasil utilizavam muito apelo sexual em suas propagandas, porém o CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), restringiu esses apelos, mais as pessoas ainda continuam tendo a ligação entre cerveja e mulher, principalmente se ela for loira.

Muitas pessoas acreditam que esses apelos dão certo, eles atraem a atenção do consumidor e por conta disso as empresas cada vez mais utilizam isso.

Porém temos que ter cautela, não podemos exagerar, pois em alguns casos, ao invés de ser somente uma propaganda simples, ela pode ser entendida como uma ofensa aos consumidores e isso trará grandes problemas.

Devemos prestar mais atenção também no público em que queremos atingir. Por exemplo, se eu tenho um público infantojuvenil não posso trazer qualquer tipo de conotação inadequada na propaganda para o público daquela idade, devemos tomar cuidado para que isso não se torne antiético. Lembre-se sempre: Às vezes menos é mais.

 

Comentários

Comentários

0 respostas

Deixe um Comentário

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe um Comentário